Opinião / O canalha da Beretta 22 / por Moah Sousa

por Moah Sousa – jornalista / produtor cultural

Moah Sousa – jornalista e produtor cultural

“Passe logo as chaves. Teu apê tá com o cheiro da volúpia”, zombou Suzue Shiou, a namorada do Félix da Quintino
De cueca samba-canção, com a ressaca do amor e no trago, ele rastelou a mesa com os dedos da mão direita em busca do chaveiro de osso. Um mimo do Instituto Médico Legal, onde trabalhavam.
“Tô atrasada. Tenho dentista”, frisou a urgência Suzue Shiou. Ela precisava se livrar rapidinho das dores periodontais que a castigavam por anos afins.
Fogosa, fervida e sofrida. A japonesa gostava de beijo na boca. Mas, em certos dias, suas gengivas esguichavam sangue e ela não podia amassar os lábios do amado rapaz.
Fazia de tudo de bico fechado, em casa e no serviço. Tenho TPM bocal, costumava dizer telepaticamente aos botões da blusa ou ao zíper da calça jens que usava diariamente.
Félix da Quintino só se inquietava. O silêncio o enfurecia. Carente de luzes, ele não sabia que ela tanto sofria.
Na moita, planejava envenenar o ginecologista da namorada. Também morria de ciúmes do dentista, do entregador de pizza, do rapaz da farmácia, da moça da lotérica e até mesmo do Seu Anézio, o motorista do rabecão.
Não adiantava qualquer explicação. O namorado da Suzue Shiou já havia enfiado na cabeça uma suposta traição.
Mexe aqui, rastela de novo dali e logo seus dedos encontraram as chaves e o cabo da Beretta calibre 22, uma clássica e letal pistola italiana.
Por curto tempo, um silêncio de cemitério perfurou a retícula cinzenta daquela sinistra manhã. De repente, o gritão: “chega de mentiras”.
O espanto da moça domina a cena. “O que é isso? Tá louco? Não atire! Meu presuntinho querido. Não. Não!”
Péque e bum! O desconfiado Félix da Quintino fuzila a namorada sem dar uma única piscada. A bala fez um pequeno buraco vermelho bem no meio da testa da linda japonesa.
Em vida, ela projetava abandonar os cadáveres, envelhecer junto com o namorado e se tornar uma modelo oriental. “Sling e de sucesso”, como atiçava em meio aos sushis, sashimis e copos de saquê nas datas festivas com os familiares. Chorando baixinho, o Seu Anézio recolheu o corpo da Suzue Shiou e seus sonhos secretos.
Felix da Quintino fugiu. Felix da Quintino escapuliu. Agora, banhado pelos holofotes do crime, o foragido ganhou mais uma alcunha: “O canalha da Beretta 22”.

Divulgação Sabe Caxias:

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *