Arte têxtil – livro e exposição Pesquisadora caxiense Véra Stedile Zattera proporciona um passeio por 10 mil anos de história

Pesquisadora caxiense Véra Stedile Zattera proporciona um passeio por 10 mil anos de história

 

Foto Javier Paquito Masia Herrera

Dos rústicos trançados de palha americanos, ao linho que envolvia as múmias do Egito, ou às mais delicadas rendas e tapeçarias europeias, o têxtil tem sua história entrelaçada com a da própria humanidade. Muito dessa trajetória é relatada no novo livro da pesquisadora caxiense Véra Stedile Zattera, denominado 10.000 Anos de Arte Têxtil, que será lançado no dia 2 de junho, a partir das 17h, na Galeria de Arte Gerd Bornheim, em Caxias do Sul. A ocasião marca, também, a abertura da exposição homônima no mesmo local.

Com a expertise de quem há cinco décadas se dedica ao estudo do têxtil e seu desdobramento artístico e no vestuário, Véra conta que os 10 mil anos referidos na obra dizem respeito aos mais antigos artefatos trançados de que se tem notícia, sandálias encontradas nas cavernas “Catlow Cave”, no limite sul de Catlow Valley, e “Fort Rock Cave”, perto de Fort Rock State Natural Area, ambas no estado de Oregon, nos Estados Unidos, e datadas do final do período Paleolítico ou idade da Pedra Lascada, quando o homem começou a fazer agricultura, tornando-se não mais dependente apenas da coleta e da caça. – É até difícil de entender como esses artefatos se preservaram por 10.000 anos, já que os objetos têxteis, é sabido, em temperatura úmida, são perecíveis. – diz.

Além de um mergulho no tempo, o livro e a mostra proporcionam um passeio ao redor do globo. Assim, são vislumbrados trabalhos da Europa, do Oriente e da América. A pesquisa abrange tanto a faceta artesanal do têxtil quanto as obras de artistas plásticos. Véra destaca que, embora o artesão esteja focado na utilidade de seu produto (elaborando, por exemplo, uma toalha de mesa ou um cesto) e o artista na decoração de interiores (como uma tapeçaria de parede ou uma Fiber Art escultural), ambos produzem a beleza em suas obras: – O artesão é tão competente na sua técnica, ou até mais pela repetição, quanto o artista que a desmistifica e cria obras únicas com ela. Seus objetivos são diferentes, sendo a técnica de execução a mesma ou muito similar.

Muitas vezes, acrescenta, essas duas facetas se confundem: – Os tecidos de seda que chegavam do Oriente e as tapeçarias dos Séculos XVII e XVIII, belgas, francesas e italianas, que aqueciam e decoravam as catedrais e os castelos, já tinham um desenho desenvolvido por especialistas. Como quadros, as tapeçarias eram executadas pelos atelieres especializados como Gobelin, Aras e Aubusson. Essas peças foram as precursoras da renovação de desenhos e motivos que viriam a seguir em Gobelin, com Jean Lourçat, e que seriam chamados, a partir do século XX, de Arte Têxtil ou Fiber Art– destaca.

DIVULGAÇÃO SABE CAXIAS:

 

Longa pesquisa

O embrião desse livro começou em 1988, quando a autora, como professora de Técnicas Industriais, abordava a carda, a fiação, a tecelagem e a estamparia na universidade. A inexistência de bibliografia em português sobre o tema, fez com que escrevesse um pequeno livro denominado Arte Têxtil no Rio Grande do Sul. O desenvolvimento da pesquisa e edição da obra fez crescer seu próprio interesse pelo assunto. – Depois desse estudo, resolvi desenvolver a recém denominada Fiber Art. Comecei fazendo obras para minha casa, meus pais e amigos (algumas delas estarão na exposição) e, na sequência, fui convidada a expor, com outras artistas brasileiras, em eventos nacionais e internacionais. Fui muito gratificante.

– Por fim, vislumbrar os belíssimos e históricos tecidos da América e da Europa, ter contato com os artistas e as técnicas nos atuais atelieres, quis mostrar, no atual livro, um pouco mais desse mundo encantado chamado de Arte Têxtil – explica.

“Varal” fotográfico

Além das peças originais, de labor artesanal e artístico, produzidas por artesãos internacionais e pela pesquisadora, a exposição 10.000 Anos de Arte Têxtil será composta de um “varal” de tecidos impressos com fotografias, nos quais são mostradas diversas técnicas.

A mostra poderá ser visitada de 2 a 30 de junho, de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 10h às 16h. Os painéis do varal poderão ser reservados no local e serão entregues ao final da mostra. Seu valor será doado para uma entidade assistencial. O livro, estará à venda na Casa Faro, na Rua Plácido de Castro, 1.053, Exposição, Caxias do Sul.

 

SAIBA MAIS:

O que: lançamento do livro e abertura da mostra 10.000 Anos de Arte Têxtil, de Véra Stedile Zattera

Quando: dia 2 de junho, das 17h às 20h.

Onde: na Galeria Municipal de Arte Gerd Bornheim, na Rua Dr. Montaury, 1.333, Centro, em Caxias do Sul.

O livro: 240 páginas, R$ 150; estará à venda no dia do lançamento e durante todo o mês na Galeria Municipal de Arte Gerd Bornheim. Também e depois, na Casa Faro (Rua Plácido de Castro, 1.053, Exposição, Caxias do Sul).

A mostra: visitação de 2 a 30 de junho, de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, das 10h às 16h.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *