Exposição itinerante José Zugno em Forqueta

UM SEMEADOR DE IDEIAS A SERVIÇO DA VIDA AGRÍCOLA

A exposição itinerante José Zugno – Um Semeador de Ideias a Serviço da Vida Agrícola estará em Forqueta de 08 a 15 de maio. 

A mostra que retrata a vida e obra do agrônomo, naturalista, ambientalista, pesquisador, professor e escritor José Zugno será atração paralela do Filó Comunitário, que acontece na Capela São Virgílio, no Distrito de Forqueta, no próximo dia 08 de maio, às 15h.

O Filó integra o Projeto Forqueta Cultural, realizado pelo Ponto de Cultura Costurando Sonhos e pela Varsóvia Educação e Cultura.

A exposição será exibida junto ao Salão Comunitário da Igreja de São Virgílio, a mais antiga do Distrito de Forqueta, datada de 1880. A exposição vai permanecer no local até o dia 15 de maio.

A mostra conta com financiamento da Lei Municipal de Incentivo à Cultura (LIC) e apoio cultural das Empresas Randon S.A., Instituto Elisabetha Randon, Racon Consócios, Pátio da Estação. Também são parceiros deste projeto Mebrafe Soluções em Refrigeração Industrial e Associação dos Engenheiros Agrônomos da Encosta Superior do Nordeste – AEANE.

José Zugno foi pioneiro no desenvolvimento técnico da área rural que resultou no município líder no Estado na produção de hortifrugranjeiros, entre outras culturas destaque. Suas iniciativas foram divisor de águas no aperfeiçoamento e diversificação de culturas, como a uva, e na qualificação técnica dos agricultores para a produção de alimentos, impulsionando o desenvolvimento agrícola no município de Caxias do Sul.

Esse processo vivido no meio rural, bem como outras ações na área urbana, é contado na exposição José Zugno – Um Semeador de Ideias a Serviço da Vida Agrícola através de painéis temáticos ricamente ilustrados por textos e imagens exclusivas coletadas ao longo de 60 anos, pertencentes ao seu vasto acervo pessoal.

A mostra em Forqueta contará com painéis exclusivos sobre o trabalho de José Zugno naquela região. Exemplo disto são as imagens de plantios e de colheitas de tungue, cultura que contou com grande inventivo do agrônomo como forma de complemento de renda para os produtores rurais. José Zugno foi sócio-fundador da Cooperativa dos Plantadores de Tungue Paulo Monteiro de Barros – Cotung-, em 1949, e seu diretor –presidente por mais de 30 anos.

A mostra é resultado de mais de dez anos de resgate, organização e catalogação do acervo de José Zugno realizados por seu filho Ricardo Zugno.

Divulgação Sabe Caxias:

 Sobre José Zugno

As iniciativas e ações do agrônomo e naturalista José Zugno (17/02/1924 – 09/02/2008) deixaram um imenso legado para a cidade de Caxias do Sul, tanto no meio rural como urbano.  Mais do que fomentar uma agricultura técnica, José Zugno fomentou uma nova cultura de valorização da atividade do agricultor e do meio rural.

Os resultados positivos desta iniciativa marcaram o início da diversificação de culturas e da qualificação técnica dos agricultores na produção de alimentos no município de Caxias do Sul.

Para os agricultores representou melhoria na qualidade de vida e valorização de sua atividade.

Para os agrônomos tornou-se terra fértil ao propósito da profissão de produzir alimentos.

Para a população urbana significou o acesso a alimentos mais diversificados e mais baratos.

Sob seu comando, o Município implementava em 1949 uma Diretoria de Fomento e Assistência Rural (DFAR), que viria a introduzir no meio rural  variedades mais produtivas de cultivos, diversificação de produtos agrícolas, inseminação artificial do gado, serviço de tratores, entre tantas outras iniciativas. Para se ter uma ideia desse pioneirismo, a própria Emater  (órgão estadual para assistência agrícola) só viria a ser criada seis anos depois (1955). A Diretoria de Fomento se transformou mais tarde na atual Secretaria de Agricultura do município.

O exemplo de Caxias do Sul seria mais tarde modelo copiado por outras cidades, sendo esta iniciativa uma antecessora das atuais secretarias de agricultura municipais, hoje presentes em praticamente todos os municípios brasileiros.

O trabalho de José Zugno era considerado de tal excelência que lhe garantiu preferência para estar à frente da DFAR/Secretaria de Agricultura durante 26 anos, sob nove administrações  públicas dos mais variados partidos políticos.

No meio urbano é responsável pela criação das  feiras do agricultor, que permanecem ativas e multiplicadas, pelo incremento de ambientes como praças, parques e jardins e pela farta arborização urbana que legou ao município um patrimônio arborístico diversificado, com espécies  (nome popular) como jacarandás, estremosas, ligustros, ipês, entre tantas outras.  O Horto Municipal de Caxias do Sul leva seu nome, em homenagem ao seu trabalho

 Vida Agrícola – José Zugno foi incansável na disseminação dos conhecimentos que dispunha e na busca de novas fontes de pesquisa. Diante de uma era Google ainda inimaginável, ele coletou e conservou um vasto acervo de informações e materiais sobre tudo o que se relacionasse à natureza.  Através da sua coluna Vida Agrícola, que ele manteve semanalmente  para o jornal Correio Riograndense por mais de 50 anos, colaborou significativamente para o desenvolvimento do meio rural em todo o território nacional, onde chegava o periódico.

SERVIÇO

Exposição: José Zugno – UM SEMEADOR DE IDEIAS A SERVIÇO DA VIDA AGRÍCOLA

Data: 08 de maio de 2022, 15h. Permanece até o dia 15 de maio.

Local: Salão de Festas da Igreja de São Virgílio – Forqueta – Caxias do Sul

Ficha Técnica – Pesquisa e coordenação de Ricardo Tando Zugno; Curadoria e conteúdos de Vera Mari Damian; Design gráfico de Ernani Carraro; Reprodução e tratamento de imagens de Liliane Giordano; Produção cultural de Claudio Troian e Captação por Capta Ação – Gestão de Projetos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *