Poesia: Neandertal Pop – por Miguel Brambilla

18-neanderthal-rexPRECISEI ME CONSOLAR

COM O SEU DESAFORO

ME CHAMANDO DE VELHO,

QUE ESTOU ACABADO.

EU ENCONTREI UM CEMITÉRIO

DE OSSOS DE PORCO NO MEU QUINTAL

ENTÃO EU PERCEBI.

EU SOU NEANDERTAL.

 

EU JÁ NÃO TENHO MEDO,

SE DOEM OS MEUS JOELHOS

EU DURMO SENTADO E

TENHO BARBA BRANCA.

EU TENHO ATÉ UMA PANÇA

 

EU ENCONTREI UMA CATEDRAL

DE BRONCOS COMEMORANDO O NATAL

EU SOU NEANDERTAL

 

PRECISEI ME AFOGAR NO SUCO DE LIMÃO

EU JÁ NÃO TENHO PRESSA

NÃO TENHO MAIS PRESSÃO

O SONHO É UMA PRISÃO ….PERPÉTUA.

 

EU SOU NEANDERTAL.

MAS CONSIGO CANTAR COMO UM GRITO DE DESESPERO NA CAVERNA PERDIDA.

EU SOU NEANDERTAL.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *