Sobre a separação de Fátima e Bonner, amor não acaba…por Miguel Brambilla

imagesAcho estranho escrever sobre isso, no início pensei em ironizar, tipo, meu mundo caiu, mas, pensando bem, toda separação é triste e claro o exemplo da fama e de pessoas públicas acaba sempre se tornando parâmetro de debate, de exemplo, principalmente para o povo com menos opinião que admira aquele estilo de vida, que idolatra.

Vamos falar de amor. Toda separação é dolorosa. Não importa de quem seja. Por isso vemos tantos crimes, suicídios e medos levados ao extremo. Encontrar verdadeiro companheirismo é uma loteria para a grande maioria das pessoas. Quase todos casais tem problemas.

No começo, paixão e saciedade, em seguida as cobranças, o desejo que o outro mude, as adaptações e infelizmente, depois de algum tempo, em muitos casos as traições. Mas antes de se chegar as vias de fato de uma traição, tanto o homem como a mulher, já deixaram de sonhar juntos e foram acumulando mágoas e diferenças dentro da relação, mesmo que já tenham tido filhos, e neste sentido, aparentemente o amor acaba, a convivência se torna insuportável, a personalidade que no começo era amor e paixão fica incompatível e tudo é intolerância.

Sim, 26 anos é uma eternidade juntos. Fátima e Bonner bateram um record da vida moderna quem sabe. Eu particularmente não acho. Estou casado pela segunda vez, são 11 anos, passei por vários momentos em minha relação atual, mas aprendi uma coisa que ouvia o músico Lobão cantar em uma música, quando eu tinha uns 15 anos. “A paixão não tem nada a ver com a vontade, quando nasce é um alarme de um louco desejo”. Sim, tive algumas paixões vaidosas e hedonistas, irresponsáveis e tolas. Mesmo que em dia de impeachment e crise, tenhamos a necessidade de saber sobre as questões políticas, aprendi também que o amor não tem nada a ver com a vontade. O amor é uma energia natural que vai além do fluxo de nosso controle. As questões do dia a dia, exigem discernimento, raciocínio, capacidade de diálogo, compreensão. O amor não. O amor é um querer sem saber por que se quer. O amor é uma sensação de plena energia, uma saudade permanente que só se acalma no reencontro ou na certeza da reciprocidade, o amor é também liberdade, desejo de crescimento, desejo de saciedade. Mas acho que o verdadeiro amor não acaba. O que nos separa não é o amor, é o orgulho, o egoísmo, a vida primitiva que ainda levamos, dando valor apenas para a matéria, esquecendo a beleza da alma.

Eu nunca havia amado desta forma antes. Não sei o que vai acontecer amanhã. Mas o amor não se divide, ele é um só, ele ama e não quer estar longe, mas ao mesmo tempo permite a distância. Ele quer ser encontrado com surpresas e assim sinto o amor…não sinto medo de nada, mas sei que se tivesse que ficar longe do meu amor…sentiria minha alma desesperada…aleijada…cansada e desanimada de viver a reencarnação da energia, do sentimento, do pensamento e da palavra…longe do meu amor não sou nada…na luz, na lama, na paz ou na batalha…e isso me parece bem diferente do que uma paixão que acaba…me parece que o amor é algo mais profundo…indefinível em palavras…que lamenta mas supera mágoas…que sofre mas ama de forma abençoada….preciso escrever sobre o amor…se acabou o amor de Bonner e Fátima, e não foi a morte que levou uma das almas…não existiu amor…existiu outra coisa que não posso ser o julgador…o amor é dois…e se acaba…não é o amor que acaba…é o desejo de não sentir dor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *