Reinaldo Azevedo x Olavo de Carvalho – briga de pavões – por Miguel Brambilla

pela ordem: Reinaldo Azevedo, Olavo de Carvalho. Cristo com os doutores (1506), de Albrecht Dürer (1471-1528). Óleo sobre painel, 65 x 80 cm, Museo Thyssen-Bornemisza, Madrid.- reprodução

pela ordem: Reinaldo Azevedo, Olavo de Carvalho. Cristo com os doutores (1506), de Albrecht Dürer (1471-1528). Óleo sobre painel, 65 x 80 cm, Museo Thyssen-Bornemisza, Madrid.- reprodução

Depois do sucesso do rebento, a reivindicação da paternidade se multiplica, como numa inseminação canina. Vaidade intelectual. Como o país carece de mais intelectualidade, os que se destacam arvoram exclusivismo e se atacam com racionalidade extrema, mas no mesmo baixo nível dos “petralhas” que vibram certamente. Quando a cultura do brasileiro avançar para um outro nível, mais prolífico, os horizontes da nação serão outros bem diferentes. Assim como Lula se transformou numa seita, os intelectuais brasileiros não resistem a tentação do populismo, na mesma razão que coloca ditadores políticos no poder. O brasileiro ainda não pensa livremente, de maneira geral. Transfere pelo voto obrigatório poder para quem não merece, e isenta-se de pensar, por que a intoxicação intelectual, pode virar uma forma de fundamentalismo e ignorância, quando se confunde humildade com falsa modéstia. Nos últimos tempos aprendi com ambos os cidadãos que agora se atacam, em tribunas diferentes, mas quase da mesma forma que Jean Willis e Bolsonaro. Disputa de poder, razão e vaidade intelectual. Todos no mesmo barco, todos na mesma visão, com diferentes vocabulários, mas intenções idênticas. Sobrevivência, necessidade, e como sempre em várias épocas obscuras e iluminadas da humanidade, ego. A pretensa preocupação coletivista do pseudo gênio intelectual que se destaca pela sua precisão reflexiva, acaba na arrogância cega que se transforma numa tediosa boçalidade e no tédio repetitivo de se repetir o ataque constante há ignorância humana, sem perceber-se que a genialidade limitada das sumidades representativas da nação, que por hora se digladiam, estão num palco de peões estropiados pela fome, pela subnutrição e pela mortadela. Lula, que maquiavelicamente percebeu isso em seu favor, não teve pena das massas manipuladas, mas os intelectuais que duelam entre verbetes, também não tem, apesar de pretensamente se julgarem diferentes. As interpretações de fatos históricos relativizados pela passionalidade da lucidez relativa, sempre será discordante, por que, assim como dois corpos, dois cérebros não podem ocupar o mesmo lugar na interpretação dos fatos e em sua análise das idéias e tempo. Convergentes e divergentes pontos de vista não isentam e nem justificam personalidades, cavalheirescas ou brutas. O povo, que já vomita vermes e analfabetismo, não se beneficia do ranço mental, por que não consome cultura. Não se lê mais gibis, o fôlego de leitura de livros é quase zero, o consumo imediato de conceitos pela internet e redes sociais, numa intoxicação contaminada de falsas verdades, armadilhas e artimanhas linguísticas é tão grande, que a evolução intelectual do país é lenta, confusa e quase inexistente. O único estímulo que tive com a briguinha intelectual entre Reinaldo Azevedo e Olavo de Carvalho, foi a vontade de escrever este texto. Mas, como já vi ambos responderem o contraditório sobre suas idéias, certamente para ambos, sou apenas mais um ignorante. Só que não. Abraço para ambos, pena que nem todos vão entender que este debate, não passa de briga de pavões.

Dedico para ambos, para mim mesmo e para nossa época, o bom e velho Cazuza, que não perdeu pela hipocrisia. “sou burgues mas sou artista?” Como assim Cazuza. Eu também. Como o velho Tim Maia: “tudo é tudo e nada é nada”. Melhor que não pensar é vomitar verdades absolutas? Para muitos parece que sim.  Mas no final das contas, maquiavelicamente, há quem interessar possa, Dilma Roussef caiu, Lula vai ser preso e o PT vai acabar. Isso não quer dizer que o brasileiro agora é um dinamarquês e que as coisas vão para o lugar naturalmente, é apenas a história do Brasil em movimento.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *