13 de maio na História – Abolição da Escravatura

Memorial do Quilombo e Zumbi, o Rei dos Palmares

Memorial do Quilombo e Zumbi, o Rei dos Palmares

No dia 13 de maio de 1888 a Lei Áurea, assinada pela princesa Isabel, concedeu liberdade a mais de setecentos e cinquenta mil negros escravizados.

Filha de D. Pedro II, princesa Isabel lutou pela libertação dos escravos, pois não concordava com a forma como eram tratados.

Essas lutas se iniciaram antes de 1850, época em que a Lei Eusébio de Queiróz proibia o tráfico negreiro.

Em 1871, a Lei do Ventre Livre, proibia que os filhos dos escravos, nascidos após a instituição da mesma, fossem também escravizados. As crianças ficariam até os oito anos de idade sob o domínio dos patrões de suas mães e depois seriam libertos.

Outra Lei que nasceu para proteger os negros foi a Lei dos Sexagenários, que dava liberdade a todos os negros, escravos, ao completarem sessenta anos, após 1884.

Antes de serem libertos pela Lei Áurea, muitos escravos fugiam em consequência dos maus tratos sofridos, medo dos feitores e capitães do mato, ou pelas dificuldades de suas vidas.

Com isso, Zumbi criou o Quilombo dos Palmares, na Serra da Barriga, para abrigar e proteger os escravos fugitivos, tendo a localidade abrigado mais de vinte mil habitantes.

Mas mesmo com a libertação, o sofrimento dos negros não acabou. Os mesmos não tinham sido preparados para exercer outras profissões a não ser as braçais. Muitos, sem condições de vida, foram morar em lugares afastados das cidades, assim surgiram os bairros periféricos, aglomerados da população negra.

Tendo suas vidas cheias de dificuldades, os negros sofrem por muitos anos com a discriminação racial.

Hoje em dia temos várias leis que protegem seus direitos, garantindo que não sejam inferiorizados, pois não conseguiram garantir espaço no mercado de trabalho como os brancos. Com isso, nos últimos anos, cotas nas universidades foram criadas, garantindo que os negros tenham acesso às mesmas, já que suas condições de estudos não foram favorecidas como as dos brancos.

Para lembrar o sofrimento da raça negra, foi criado o dia da consciência negra, a fim de restituir toda a sua história, além de lançar novas conquistas e novos horizontes para os mesmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *