A FARSA – por Miguel Brambilla

Pensam os homens soberbos em sua cultura viciada, impregnada de vícios morais e intelectuais, que podem enganar, superar, transgredir a JUSTIÇA DIVINA. Não é de hoje que a história tenta manipular a verdade de acordo com o bel prazer das consciências materialistas, impregnadas das vaidades e das ilusões do poder na Terra, no plano físico. “De que vale ao homem ganhar o mundo e perder a sua alma”, disse Jesus Cristo. O Brasil, considerado nas estâncias espirituais “O Coração do Mundo e a Pátria do Evangelho”, segue sofrendo os ataques de espíritos altamente apegados ao poder e a glória em todos os sentidos, que vieram rastejando pelas sombras umbralinas entre muitas reencarnações, sem avançar o suficiente para o desprendimento real do personalismo, para poderem beneficiar a si mesmos com suas ações na sociedade e ajudarem com vigorosa vontade a realização da Justiça de Deus na Terra que acontecerá, independente da vontade das pessoas.

Deus que É todo misericórdia, permite que o livre-arbítrio seja exercido, por que “A cada um será dado segundo as suas obras”, o que significa exatamente que é preciso confiar no tempo observando o ponto de vista da imortalidade da alma e do avanço coordenado pelos dirigentes espirituais do planeta para o amadurecimento das sociedades. As visões estreitas de justiça dos homens na Terra, torna passional as decisões de juízes e colegiados que estão preocupados com seus parceiros e com seus tributos de gratidão política, com a moral distorcida exercitada com vigor nos impérios do passado.

É preciso esperar o tempo em cada consciência para saber o quanto é possível impor para uma sociedade. É assim que Deus permite o livre-arbítrio das criaturas para que sintam em si próprios as consequências de suas próprias decisões certas ou erradas. Enquanto o desprendimento espiritual não acontece de forma eficiente as relatividades agem na soma de fatores e também fazem parte da Vontade de Deus no processo evolutivo da consciência na direção do aperfeiçoamento constante.

É por isso que muitas farsas em julgamentos acontecem. O próprio julgamento de Jesus no Sinédrio foi uma farsa para condená-lo. Pilatos lavou as mãos para soltar um criminoso e permitir  a condenação de um homem inocente.

“Foi no Concílio Ecumênico de Constantinopla (553) que a reencarnação foi retirada do cristianismo pelo imperador Justiniano e sua esposa Teodora. Essa história da influência de Justiniano e Teodora no citado concílio, de um modo geral, não é abordada pelos historiadores, certamente, para evitarem conflitos com a Igreja, pois isso é desagradável para ela.”

Desde todos os tempos a interpretação da Justiça Divina pelos homens também foi relativa ao desejo pessoal de cada “mensageiro” “Á árvore boa dará bons frutos, a árvore má secará”.

Portanto, na interpretação da justiça brasileira em mudar conforme as questões políticas o entendimento da lei, na atual Suprema Corte, onde juízes vitalícios, comprometidos com a política arvoram-se deuses inatingíveis e senhores absolutos da razão, mesmo sem serem imortais como gostariam, não é novidade na história da humanidade. O cinismo das instituições materialistas ainda é aparentemente um exemplo da farsa cega dos seres que não se curvam diante da vontade de Deus.

É preciso ter esperança porém, por que Deus É A INTELIGÊNCIA SUPREMA e da cultura de bactérias e do mofo em putrefação, inspirou o surgimento da penicilina, vacina e remédio para a cura de doenças. “As vezes o mal é o remédio”. É preciso continuar crendo no BRASIL CORAÇÃO DO MUNDO PÁTRIA DO EVANGELHO.

divulgação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *