Carros: Como cuidar de um carro que fica ao relento

Seu carro fica em vaga descoberta? Veja como minimizar os efeitos da exposição ao tempo

 

Deixar o carro ao ar livre é um drama de muita gente. São vários os agentes que atacam a pintura: sol forte, chuva ácida, dejetos de pássaros, seivas vegetais e as temidas quedas de granizo fazem parte do pesadelo de quem não tem como estacionar em vagas cobertas.

 

A bancária Ritiele Veiga é daquelas que sofrem com a necessidade de deixar seus carros dormindo ao relento, já que ela e o marido sempre gostaram de automóveis antigos, mas nunca houve espaço para todos eles em vagas cobertas. Ela pensou ter achado a solução ao deixar seu L’Automobile Ventura, uma rara réplica nacional do Alfa Romeo 1931, protegido por uma capa. Mas nem isso ajudou. “Apesar de ter forração, a capa acabou provocando manchas na pintura depois de alguns anos”, afirma Ritiele. “Sob sol e chuva, ela acabou grudando na carroceria, mesmo tendo o interior de feltro. Por isso, faz mais ou menos um mês que desisti da capa, que fica guardada no porta-malas, não apenas por causa desses problemas, mas também para espantar os curiosos que queriam ver que carro estava por baixo.”

 

Isso não quer dizer que a capa não deva ser usada, mas ela precisa ser de boa qualidade e colocada com alguns cuidados, além de dar um belo trabalho se você precisar tirá-la e colocá-la todos os dias. Se esse for seu caso, o ideal então é ficar atento ao estado geral da pintura e providenciar toda semana uma lavagem, segundo recomendação dos especialistas.

 

De acordo com especialistas, “um carro que fica ao relento sofre e vai precisar de mais proteção para a pintura, com a utilização de uma cera de longa duração”. A aplicação da cera deve obedecer ao critério visual. Quando o carro perde o brilho, é hora de passar por um novo enceramento. Outro truque é ver se a água se acumula na lataria ou não. Se as gotas escorrem com facilidade, é sinal de que a carroceria está protegida pela cera e não precisa de uma nova aplicação.

 

 

Operação plástica

 

Especialistas também explicam que, dependendo do tipo de automóvel, varia o grau de preocupação do dono. “O verniz da pintura de modelos importados de primeira linha, como Audi, Mercedes-Benz e BMW, é mais resistente, com aditivos de cerâmica. Por outro lado, uma lataria que foi repintada é mais suscetível à ação das intempéries”, afirmam. “Mas em todos os casos existem alguns componentes, como plásticos e borrachas, que vão se deteriorando até chegar ao ponto de terem de ser trocados por outros, como é o caso dos frisos e vedações.” Para esse tipo de peça, existem em lojas de autopeças e hipermercados produtos conhecidos como protetores ou renovadores de partes plásticas.

 

Um dos agentes mais agressivos à pintura é o dejeto de pombos. “Recomendo ter sempre no carro uma garrafa d’água e um pano para retirar esse tipo de sujeira o mais rápido possível, principalmente se ele estiver exposto ao sol”, diz Cosimato. Já marcas de seiva vegetal, que pingam de alguns tipos de árvores, devem ser retiradas com solventes à base de hidrocarbonetos, conhecidos popularmente como tira-grude. Outro grande problema é a chuva ácida, causada pela combinação da água com os poluentes do ar, que acaba corroendo a pintura e deixando marcas esbranquiçadas. Nessa situação, pode ser necessário submeter a pintura a tratamentos mais intensos, conhecidos como polimento, cristalização e vitrificação, cada um com prazo diferente de duração.

 

publicidade:

 

SÃO ELÓI MECÂNICA MULTIMARCAS

Precisas de uma oficina de confiança? Vem para a São Elói….

Posted by Mecânica São Elói on Saturday, February 16, 2019

 

ABC DA LATA

 

Enceramento: simples aplicação de cera para dar brilho e proteger a lataria, pode ser feito em casa.

 

Polimento: usa-se cera mais abrasiva e uma politriz para espalhá-la. Serve só para recuperar o brilho e deve ser realizado em pinturas desgastadas ou com pequenos riscos.

 

Espelhamento: nome dado pela 3M a um processo parecido com o polimento, que tem efeito reparador e pode ser feito, no máximo, uma vez a cada dois anos.

 

Cristalização: utiliza uma resina especial para proteger contra as intempéries e mantém seu efeito brilhante por cerca de seis meses.

 

Vitrificação: forma avançada de cristalização, dura até três anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *