LANÇAMENTO: LIVRO DE POESIAS DE PIPPO PEZZINI FLERTA COM A SOLIDÃO E A BUSCA DE UMA IDENTIDADE

No Próximo dia 08 (quinta-feira), a partir das 19h, na Alouca Café, Pippo Pezzini, psicólogo, músico e escritor, criado em caxias do Sul, retorna à cidade para lançar seu terceiro livro: MAIS SOLITÁRIO QUE CANCERIANO LONGE DE CASA. O título traz alguns conceitos imbuídos nas entrelinhas. Por exemplo, a comparação que faz com o adjetivo, ”Mais solitário que…”, é uma referência às expressões gaúchas como ”Mais faceiro que guri de bombacha nova”, ”Mais feio que briga de foice no escuro”. O escritor viveu 20 anos no Rio Grande do Sul, e quis retratar a identidade no título, mas puxando para o lírico, ao invés do cômico.

 

Ao mesmo tempo que há uma exaltação de um folclore regional, também há uma negação que o contradiz. A solidão de não se sentir pertencente a lugar algum. Longe de casa, longe do pago. Longe da velha casa da infância. Assim se sente um canceriano quando não se sente dentro de um lar. Um caranguejo escondido entre as pedras e mangues, retido na nostalgia de um passado que não existe além dos retalhos de sua memória.

 

O livro está dividido em duas partes: “Dores poéticas” e “Dores crônicas”, tendo versos livres na primeira parte e pequenas crônicas na segunda. Foi escrito num processo despretensioso e vagaroso. O livro se costurou sozinho, como a associação livre na análise freudiana. Aliás a obra é uma autoanálise da própria análise que fez durante anos no divã e fora dele. Fragmentos de ideias e afetos que empurram o leitor num mar de sentimentos.

A intertextualidade é um estilo de escrita do autor, trazendo referências da cultura popular, mitológica e acadêmica. Em tempos de resistência, ódio, e golpe, a arte tem se engajado politicamente e academicamente, mas a obra não tem a pretensão nem o compromisso de abordar esses temas.

 

SINOPSE DA ORELHA DO LIVRO:

“‘Mais Solitário que Canceriano Longe de Casa’ é o terceiro livro do autor e o primeiro de poesia/crônica, retrata a solidão de um ‘caranguejo’ que utiliza a arte como subterfúgio de uma vida de desencontros e deslocamento existencial. A angústia de ser estrangeiro em qualquer lugar e, como Ulisses, enfrentar todo tipo de obstáculo para voltar para a casa. Não é um livro sobre astrologia, nem só de solidão. O título é uma metáfora sobre a essência que liga os textos. O sentimento de não pertencimento foi a matéria bruta para a produção lírica. O não-estar, o afastamento da cidade de nascença, os desamores, as velhas casas da infância, memória afetiva e nostálgica, o desejo de fuga e busca de lar no seio de uma paixão. Tudo isso convida o leitor a embarcar nessa odisseia repleta de símbolos, fantasmas, dores e reminiscências.”

 

SOBRE O AUTOR:

Pippo Pezzini nasceu em Curitiba, morou cinco anos no Japão, vinte em Caxias do Sul e atualmente se esconde no extremo sul da ilha de Florianópolis com a sua amada numa casinha no alto do morro. É escritor, violonista, cantautor, professor de música, psicólogo, aprendiz de carpinteiro, misantropo, artista de rua, canceriano com ascendente e lua em touro, filósofo de boteco, estudioso das coisas inúteis e poeta aposentado. Usa os livros do Platão e Descartes para apoiar os móveis que perderam os pés.

 

SERVIÇO: LANÇAMENTO DE MAIS SOLITÁRIO QUE CANCERIANO LONGE DE CASA, DE PIPPO PEZZINI.

QUANDO? DIA 08 DE NOVEMBRO DE 2018 (QUINTA-FEIRA), A PARTIR DAS 19H.

ONDE? ALOUCA ACAFÉ (Os 18 do Forte, 2331 – Caxias do Sul)

OBS:. O LIVRO, QUE RECENTEMENTE FOI LANÇADO EM CURITIBA (PR) ESTARÁ À VENDA NO LOCAL POR R$ 34,90.

publicidade:

Posted by Sabe Caxias on Monday, May 18, 2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *