Feliz por realizar ou realizando por ser feliz? por Alice Schuch: doutora em educação e gêneros, escritora, palestrante e pesquisadora do universo feminino

Alice Schuch, escritora, palestrante, doutora e pesquisadora do universo feminino
Danii Scher

A vida é feliz realizando!

Quanto mais algo produz, mais evidencia a vida que possui em si mesmo. A vida escolhe e celebra a si lá naquela árvore onde a primavera resplandece repleta de flores e frutos. “A vida diz a cada um de nós: ama-te como eu te amo”, pois se existimos é porque fomos desejados, convidados e amados pela força do Universo, ilustra o filósofo Antonio Meneghetti.

Todo o ser humano, conforme Maslow, possui dentro de si dois conjuntos de forças. O primeiro grupo prioriza a segurança, a defesa, a regressão, o passado e o receio de se desenvolver e frutificar, já o segundo impulsiona para a própria totalidade e individualidade, para o funcionamento pleno dos dons pessoais, para a confiança em face ao mundo e para a aceitação amorosa de si.

Portanto, podemos considerar o processo de crescimento como uma série interminável de situações de livre escolha em que cada uma de nós se defronta cotidianamente ao longo da vida quando precisa decidir entre o prazer da segurança ou do crescimento, da dependência ou da independência, da regressão ou do sucesso. O crescimento porta consigo as suas angústias e os seus prazeres.

Se uma nova experiência tiver de fazer parte daquela pessoa ou não é ela quem deve decidir. Não podemos forçar alguém ao progresso, é possível apenas instiga-la para que o faça, ninguém pode tomar a decisão em seu lugar, é ela quem deve querer, gostar e agir. Conclui-se daí que é preciso estarmos atendas e não nos convém participar como pessoas indefesas e irresponsáveis da difícil tarefa de viver, o campeão mostra-se no decorrer do jogo.

Quando queremos algo devemos realizar ações concretas para consegui-lo e, uma vez que se atingiu aquele propósito seguimos em frente. E se por acaso aquela fase chegou ao fim, partimos em busca de novas conquistas, sempre cientes de que por meio de tragédias e cobranças perdemos a estrada.

E então, quando você estiver segura, poderá ensinar outras pessoas não pelos seus cargos, mas por sua virtude e sabedoria, procurando não somente ser amado e desejado, mas merecer sê-lo.

A vida conta com você para sorrir!
Feliz por realizar e realizando por ser feliz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *