Juventude briga e busca empate diante do Paysandu

Mesmo saindo atrás no placar, o Juventude teve dedicação e força para buscar o empate em uma partida que dominou por completo. Thomaz abriu o placar para o time paraense no final do primeiro tempo e, após uma segunda etapa de supremacia total do Juventude, Yuri Mamute acabou empatando o confronto em 1 x 1. Mesmo com chances de virar, o Verdão não conseguiu chegar ao gol que daria a vitória.
O jogo
Com mais posse de bola, o Juventude realizou uma primeira etapa em que foi superior em todos os setores do campo, mesmo que as finalizações tenham sido escassas para os dois lados. Aos 37, Fred cobrou falta da entrada da área e obrigou o goleiro a defender em dois tempos. Aos 42, Fellipe Mateus sofreu falta na entrada da área, não marcada pelo árbitro, que já havia sonegado um pênalti claro sobre Yuri Mamute, puxado na área. No contra-ataque, Thomaz finalizou no canto direito de Matheus. 0 x 1.
Se no primeiro tempo o Paysandu chegou ao gol, o segundo foi absolutamente do Juventude, que pressionou, criou e chegou ao empate. Aos 8, Caio Rangel partiu a dribles pela esquerda e finalizou rasteiro, obrigando a zaga a afastar praticamente sobre a linha do gol. Sem dar espaço para o adversário, o Juventude tinha muito volume de jogo e não deixou de rondar a área do Paysandu.
Aos 20, após cobrança de falta do lado esquerdo, a bola caiu nos pés de Caio Rangel, que soltou a bomba. Renan Rocha defendeu o que seria o gol de empate. Com boas chegadas pelas laterais, o Juventude apostava em um repertório interessante em jogadas pelo alto e também trabalhadas no chão, mas a bola insistia em não entrar. Aos 32, Fred, por muito pouco, não marcou um gol de placa no Jaconi. Após cruzamento, o zagueiro armou uma bicicleta perfeita e finalizou. A bola passou a centímetros do travessão, empolgando ainda mais a equipe em busca do gol.
Aos 35, Pará cruzou e Ricardo Jesus enquadrou o corpo e cabeceou, rente ao ângulo, em grande chance. O gol, então, veio aos 36. Yuri Mamute foi lançado, disputou espaço com a marcação, carregou, invadiu a área e chutou cruzado, no canto esquerdo do goleiro. 1 x 1. A partir daí foi pressão total do Juventude, que teve chances de virar com Jesus, Tony, Bonfin e Bertotto. O grande lance, porém, foi novamente com Mamute. O atacante recebeu na entrada da área, deixou o marcador no chão e chutou colocado com a perna esquerda, para defesa do goleiro. Nem mesmo o ímpeto e a pressão fizeram o placar se alterar.
“Foi um jogo em que tentamos o resultado ao longo dos 90 minutos. Desde o início da partida, marcamos com linha alta, com pressão, jogando no campo adversário e tentando propor o jogo o tempo inteiro. Fomos penalizados em um contra-ataque onde, no início da jogada, o Fellipe Mateus sofreu falta. No segundo tempo pressionamos, criamos boas chances e chegamos ao empate com condições totais de virar a partida. Então, apesar de triste por não termos conseguido a vitória, sei que estamos no caminho certo e que esta equipe vai engrenar e os resultados irão aparecer”, destacou Julinho Camargo.
Na próxima terça-feira, dia 15, o Verdão encara o Criciúma, no estádio Heriberto Hulse, em partida marcada para as 21h30min.
Juventude: Matheus Cavichioli, César Martins (Leandro Lima), Fred, Rafael Bonfim e Pará; Bertotto e Jair; Guilherme Choco, Fellipe Mateus (Tony) e Caio Rangel (Ricardo Jesus); Yuri Mamute. Técnico: Julinho Camargo.
Paysandu: Renan Rocha, Edimar, Douglas Mendes e Renato Augusto; Matheus Silva, Cáceres (Willyam), Alan Calbergue e Mateus Müller; Claudinho (Magno), Thomaz (Dionathã) e Renan Gorne. Técnico: Dado Cavalcanti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *