Exercício estimula “gordura boa” a produzir hormônio e queimar calorias

Cientistas descobriram que treino aumenta nível de hormônio que até então era associado ao frio

Que o exercício faz bem para o coração, evita diabetes e ajuda a emagrecer todo mundo já sabe. Mas pesquisadores do Joslin Diabetes Center, afiliado à Havard Medical school, em colaboração com cientistas da Ohio State University, ambos nos Estados Unidos, decidiram investigar as alterações metabólicas que a atividade física emagrece e descobriram uma pista curiosa: o treino aumenta as taxas de um hormÔnio chamado lipocina 12, 13-diHOME, efeito que até então era associado ao frio.

Os cientistas revelaram que a lipocina é liberada pela gordura marrom. Essa gordura é considerada “boa” porque queima calorias, ao contrário da gordura branca que tem sido associada a doenças cardiovasculares e ao diabetes. O principal objetivo da gordura marrom é converter os alimentos que ingerimos em energia.

Pesquisas anteriores já mostraram que a exposição ao frio faz com que o lipídio 12,13-diHOME estimule a atividade da gordura marrom em mamíferos e que pessoas com um nível mais alto desse hormônio tenham melhor sensibilidade à insulina e menor índice de massa corporal.

O que o novo estudo descobriu, pela primeira vez, é que o exercício também aumenta os níveis de 12,13-diHOME. Os resultados foram publicados na terça (1) no periódico Cell Metabolism.

Pesquisa foi feita em humanos e em animais

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores mediram os níveis de lipocinas antes do exercício, imediatamente após a atividade e três horas depois no sangue de 27 voluntários masculinos saudáveis – de várias idades. “Quando medido imediatamente após o exercício, o 12,13-diHOME realmente se destacou dramaticamente”, diz Laurie Goodyear, autora do estudo. Os cientistas seguiram estudando outro grupo de voluntários, 12 jovens saudáveis (divididos igualmente entre mulheres e homens) sem rotinas regulares de exercícios. Novamente, os níveis de lipocina aumentaram substancialmente durante o exercício.

Outras análises, feitas em camundongos, tiveram resultados semelhantes. “Achamos muito impressionante que quando analisamos as lipocinas durante o exercício, a mesma lipocina que aumentou com o firo também aumentou com o treino”, diz Goodyear.

Em seguida, os cientistas removeram a maior parte da gordura marrom dos ratos e descobriram que os níveis de 12,13-diHOME no exercício caíram acentuadamente. “Parece que esse foi o primeiro exemplo de um hormônio liberado da gordura marrom que pode regular alguns dos efeitos metabólicos do exercício”, observa a autora.

Descoberta pode ajudar a combater obesidade

Pesquisadores de todo o mundo buscam maneiras de aumentar o gasto de energia e, assim, reduzir  a obesidade, impulsionando a atividade da gordura marrom. Agora, Goodyear e seus colegas estão ampliando e aprofundando suas pesquisas sobre o papel dessa e de outras lipocinas durante o exercício, em cortes humanos maiores, bem como em estudos adicionais em animais. “Quanto mais conhecimento tivermos sobre o exercício e como ele funciona, melhor podemos entender como combater a obesidade”, diz ela.

publicidade

Farmácia Economize Abril 2018

Posted by Sabe Caxias on Friday, April 6, 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *