Com o aumento da movimentação na pista, a tabela de tempos também foi sendo modificada. Aleix seguia no topo, mas agora seguido por Álex Rins, que era só 0s017 mais lento. Miller tinha o terceiro posto, à frente de Lorenzo, Rabat, Petrucci, Bautista, Nakagami, Iannone e Morbidelli.

Com 1min56s092, Petrucci tomou a ponta, abrindo 0s213 de margem para Rins. Nos boxes, Aleix caiu para terceiro, à frente de Iannone e Miller. Em sua quarta volta nesta sexta, Danilo chegou a 1min55s754, 0s701 mais lento que o melhor tempo do dia anterior.

Com 3h15min de sessão Márquez entrou na pista e avançou direto para o 12º lugar, 1s5 atrás do líder e 0s016 mais lento que Dani Pedrosa, que também já estava rodando. Entre os pilotos equipados pela Yamaha, só Syahrin já tinha começado a trabalhar.

No giro seguinte, Márquez cravou 1min55s728 e tomou a ponta de Petrucci por 0s026. Lorenzo também foi mais rápido e subiu para a terceira colocação, à frente de Rabat e Rins.

Em seguida, Valentino Rossi e Andrea Dovizioso entraram na pista, com apenas Johann Zarco, Karel Abraham, Maverick Viñales e Cal Crutchlow ainda parados nos boxes.

Em sua quarta volta, Márquez registrou 1min55s448 e ampliou para 0s306 a diferença em relação a Petrucci. O tempo do #93, aliás, apenas 0s395 pior que o registro de Viñales na quinta-feira.

Pouco depois, Rossi chegou a 1min56s198 e avançou para o terceiro lugar, 0s752 atrás do líder Márquez. Logo em seguida, porém, Dovizioso passou em 1min55s428 e tomou para si a liderança, 0s018 melhor que o #93.

Zarco não esperou muito mais e entrou na pista para saltar para o quarto posto ainda em sua quarta volta, 0s688 atrás de Dovizioso.

Crutchlow também entrou na pista e subiu para o terceiro posto, 0s038 mais lento que Dovizioso. Petrucci, Zarco, Rins, Rossi, Lorenzo, Rabat e Aleix completavam o top-10.

Com cerca de quatro horas de treino, a sessão foi interrompida em bandeira vermelha por conta de incidentes separados envolvendo a dupla da Pramac na curva 1. Petrucci e Miller voltaram aos boxes ilesos, mas relatando que tinha algo na pista.

publicidade:

Posted by Sabe Caxias on Saturday, August 6, 2016

Neste ponto da sessão, a liderança ainda era de Dovizioso, que puxava um top-10 formado por Márquez, Crutchlow, Petrucci, Zarco, Rins, Miller, Rossi, Viñales e Lorenzo e separado por 0s781. Abraham era o único que permanecia sem tempo.

A bandeira verde foi exibida poucos minutos depois, com os pilotos voltando a deixar os boxes para reiniciar o teste.De volta à pista, Aleix vinha em ótimo ritmo, mas perdeu tempo na parcial final. Ainda assim, o #41 saltou para o quarto posto, 0s180 mais lento que Dovizioso. Mais atrás, Redding avançou para a nona colocação.

Com 4h06min de sessão, Iannone cravou 1min55s195 e colocou a Suzuki no topo da tabela, 0s233 melhor que Dovizioso. Mais atrás, Rossi subiu para sétimo, 0s655 mais lento que o conterrâneo.

Em sua 12ª volta, Rossi melhorou mais um pouco, reduzindo para 0s498 o atraso em relação ao líder.

Na 20ª volta neste segundo dia em Losail, Iannone vinha bem perto de melhorar seu tempo de volta, mas acabou perdendo demais na parcial final e nem mesmo os bons registros nas três parciais anteriores lhe permitiram passar de 1min55s430.

Quando, enfim, decidiu entrar na pista, Karel Abraham tratou de apertar o passo. Após completar dez voltas, o tcheco saltou para o nono posto, 0s681 atrás de Iannone, seguia na ponta.

Com quase cinco horas de sessão, Dovizioso alcançou 1min54s734 ― superando, e muito, o melhor registro de quinta-feira ― e retomou o comando, abrindo 0s461 de vantagem para Iannone. Márquez tinha o terceiro posto, à frente de Crutchlow, Zarco, Aleix e Rossi.

A marca de Dovizioso, aliás, já era melhor até que o recorde da pista, estabelecido em 2016 por Lorenzo em 1min54s927.

Zarco, porém, baixou para 1min55s042 ― também melhor que a marca de Viñales no primeiro dia ― e subiu para o segundo lugar, 0s308 mais lento que Dovizioso. Johann insistiu mais um pouco, chegou a 1min54s e reduziu para 0s140 a margem do ponteiro.

Rodando fora do top-10, Viñales aproveitou seu 25º giro para anotar 1min55s641 e assumir o oitavo posto, 0s052 à frente de Rossi, o nono colocado. Petrucci tinha a última posição de uma lista onde os dez melhores estavam separados por 1s020.

O #25 insistiu mais um pouco e avançou para a quarta colocação, agora com 0s687 de atraso para Dovizioso.Márquez era quem vinha na sequência. Mais atrás, Pedrosa saltou para o décimo lugar e, na sequência, chegou ao quarto posto, escoltado por Márquez, que também foi mais rápido.

Não satisfeito, Dovizioso decidiu ir ainda mais longe e tratou de usar o 23º giro para cravar 1min54s734, ampliando para 0s140 a vantagem em relação a Zarco. Crutchlow, Iannone e Pedrosa apareciam em seguida.

Antes de voltar aos boxes, Crutchlow também entrou no clube de 1min54s e assumiu o terceiro posto, 0s258 mais lento que Dovizioso.

Um pouco mais tarde, Rins começou sua escalada. Primeiro, o espanhol saltou para o oitavo posto, mas, na sequência, subiu para a quinta colocação, apenas 0s081 atrás de Iannone, o quarto.

Com duas horas para o fim da atividade, o topo da tabela seguia quase inalterado, com Dovizioso puxando Zarco, Crutchlow, Petrucci, Iannone, Rins, Pedrosa, Márquez, Viñales e Lorenzo.

Depois de uma passagem pelos boxes, Rossi também foi mais rápido, subindo para a nona posição, 0s602 atrás do líder. O #46 conseguiu baixar ainda mais na sequência, mas apenas para reduzir o atraso para 0s582.

Dovizioso não deixou por menos, baixou para 1min54s627 e ampliou para 0s247 a diferença em relação a Zarco.

Na contramão, Lüthi sofreu uma queda na curva 16, mas escapou de maiores problemas e logo retornou aos boxes da Marc VDS.Com 1min55s266, Viñales avançou para a sexta posição, 0s639 atrás do ponteiro. Rins vinha em seguida, acompanhado por Pedrosa, Márquez e Rossi.

Restando pouco mais de uma ora para o fim do segundo dia de testes em Losail, Miller subiu para 11º, ficando a 0s827 do líder. Aleix, Lorenzo e Redding apareciam logo atrás.

Neste segundo dia, aliás, a Honda aproveitou para testar uma carenagem no estilo daquilo que vem sendo usado pela Ducati, com as asas descendo pela lateral da carenagem.

Enquanto isso, Viñales chegou a 1min55s086 e subiu para a quarta colocação, 0s459 atrás de Dovizioso, que seguia intocável no topo da folha de tempos.

O #25 insistiu mais uma vez, com uma volta abaixo do que tinha registrado no dia anterior, se manteve no quarto lugar, mas agora menos distante do líder. Maverick era o primeiro dos pilotos que não tinha entrado na casa de 1min54.

Mais atrás, Miller voltou a apertar o passo e pulou para o sétimo posto, 0s040 melhor que Rins, o oitavo. Pedrosa, Márquez e Rossi vinham na sequência.

Quase na hora final de testes, Márquez sofreu uma queda e precisou voltar aos boxes a pé, mas escapou de lesões. O #93 tinha o décimo tempo, 0s680 atrás de Dovizioso.

Com 50 minutos para o fim da atividade, Rins alcançou 1min54s967 e tomou de Crutchlow o terceiro lugar, se colocando a 0s340 de Dovizioso.

Quase dez minutos depois, Rossi, Márquez e Lorenzo aumentaram o ruído na pista ao deixarem os boxes na reta final da sessão.  Depois de alguns giros, o #93 baixou para 1min55s287, mas seguiu em décimo, agora com 0s660 de atraso para o líder. Os outros dois, no entanto, voltaram aos boxes.

Marc, então, fez uma nova tentativa e, na 58º, entrou para o seleto grupo de 1min54s, passando Zarco por 0s121 para assumir a segunda posição, 0s126 mais lento que Dovi.

Com menos de 15 minutos para o fim, no entanto, Iannone tirou da manga uma volta em 1min54s586 e colocou a Suzuki no topo da tabela.